terça-feira, janeiro 17, 2012

Future

Quando a palavra cala
e, longe da sua casa, ardo,
fecho os olhos
aos espinhos verdadeiros
- da cerca que ainda nos separa -
e sinto, nas pontas dos dedos,
uma certa rosa imaginária...


3 comentários:

Zé da Goma disse...

Sempre vale a pena esperar, voltar aqui de quando em vez, e ter o prazer de ler mais um poema seu. Abraço, Jonatas

Anônimo disse...

Que bom que vc voltou!!!!!!
Mell

disse...

Beijo. Gangungo